sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Semana de TPM



É quando os sentimentos aprisionados vêm à superfície e se libertam, exibindo uma face que eu tento, em fracasso, ocultar. É quando minha consciência fica menos lunática e mais realista, me obrigando a ver o que eu não queria enxergar. Tipo: eu estou usando palavras bonitas para enfeitar algo imundo.

Ódio, mágoa, rancor, inveja, medo, solidão, desespero, agonia... um misto de energias negativas que me puxam para a depressão, se eu não encontrar uma forma de reagir. Passei um longo tempo sem sofrer com os sintomas da minha tensa companheira, mas aí inventei de trocar minha pílula por uma mais baratinha e eis que ela bate a minha porta e diz “olá!”.

É horrível. Um desejo cruel de autopunição quase que inevitável. E não adianta me mandar ir para a igreja, a última vez que falei com alguém de lá sobre isso me disseram para procurar “ajuda, isso não é normal”. Desenvolvi meus próprios métodos. Dançar, comer chocolate, esconder os cartões de crédito, cancelar compromissos e evitar ver pessoas.

Mas nem sempre é possível assinalar todos os itens dessa listinha. Nesta semana, em especial, tive uma crise de choro ao cortar sem querer uma calça maravilhosa. Chorei horrores por que recebi duas ligações de cobranças na mesma semana. Depois eu chorei por que fui péssima na minha prova de inglês. Senti um ódio tremendo do meu professor que quase me deixou de exame numa disciplina. Fiquei morrendo de inveja de um personagem fraco e burro da animação que estava assistindo por que ele tem um final feliz mesmo depois de ter feito tanta merda. Enfim, são reações imprevisíveis e irracionais que não consigo evitar.

Agora estou sofrendo por uma motivação especial: sinto falta de ter uma amiga. As amigas fizeram parte da minha vida num passado tão distante que nem parece mais que foi real. Hoje eu tenho contatos. Grupos no whatsapp, troca de comentários maravilhosos no facebook e queridas companheiras em diferentes círculos sociais. Mas não tenho ninguém próximo o bastante para me enviar um sms ou postar uma foto comigo e me marcar num comentário no face.

Eu tenho uma família linda que amo de paixão e um namorado maravilhoso, mas não tenho uma amiga. É diferente. Meu namorado me vê de moletom, com o cabelo despenteado e a maquiagem borrada e ainda assim me diz que estou linda. Ele nunca me diria coisas do tipo “você realmente quer que eu perca um dia de trabalho para viajar com você por duas horas para você fazer uma entrevista de emprego que nem é certeza e que, se for, você vai ganhar menos que um salário mínimo só para realizar seu sonho de trabalhar numa revista?”, por que ele me ama.

Ou por que ele já está acostumado com as coisas absurdas que eu faço no dia a dia. Tipo me matricular num curso de inglês que custa o olho da cara, viajar um domingo por mês para passar o dia todo fazendo aula de dança, gastar oitenta reais para ter um tutu dark com várias camadas de tule e administrar quase dez mil reais em crédito sem pirar, mas não ter dinheiro para comprar elásticos pro cabelo. Essas coisas.

Sinto falta de uma amiga e confidente. Alguém com quem eu possa compartilhar minha vida sem receio nem preconceitos. Humm, súbita inspiração para uma lista:

Piores Momentos da Semana

  1. O evento final do meu curso de dança tribal foi maravilhoso, mas fui uma das primeiras a ir embora por que não aguentei o rodízio de fotos que se seguiu. Eu não tinha com quem tirar uma foto.
  2.  Na prova oral de inglês, o professor deixou que fizéssemos uma “preparação” em duplas. Eu havia entendido a atividade errado, mas minha dupla não se importou em me corrigir ou me alertar. Resultado: me senti uma idiota na frente da classe toda.
  3. Enviei um e-mail todo simpático numa tentativa forçada de puxar papo e adotar uma possível correspondente, mas recebi um e-mail curto e direto com frias palavras em resposta.

Se você for reparar, eu peguei carona nessa foto.

4 comentários:

  1. Caralho, meh... que situação.
    Passei por isso durante muito tempo. Muitos dos meus amigos fogem de tudo o que eu sou/acredito/faço, e pareço um alien diante de muitos amigos.
    Porém, desde que terminei a faculdade, resolvi me dedicar as minhas amizades, e esse ano foi bem produtivo neste sentido.

    Não posso te dizer que tenho uma amiga confidente, aquela que eu conto tudo, que sabe tudo da minha vida. Tenho bons amigos, mas que, com o tempo, se tornaram distantes, pois a vida toma rumos diferentes. Mas também acredito que nem todo mundo precisa saber tudo sobre você.

    Contudo, acredite: TPM é mesmo uma desgraça. Amanhã você pode acabar acordando e tá tudo certo, o mundo é bão sebastião! Temos que ter fé nisso.

    Claro que amizades fazem bem. Como disse, neste ano estou bem mais próxima de muita gente que eu gosto, desde as amigas da infância até de novas pessoas que me agregam de alguma forma.

    Não se deixe levar pelas más companhias, pelas pessoas negativas e menos ainda pela onda da TPM.

    Aliás, se tu quer saber, tem gente aqui ( eu o/ ) que fica muito feliz por suas conquistas, por conhecer você e por saber o que você sente mesmo não sendo sua BFF hahaha

    Beijos e te cuida!

    Livre Leve Livro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo carinho, Gisa =)

      Por que me parece que quando a gente é criança é muito mais fácil adotar BFF's? Kkkkk

      Beijocas

      Excluir
  2. Sinto saudades de sua amizade 😯

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Paula Charro?" fiquei aqui pensando, entrei no facebook e tava lá: "Paulinha". Ah! A Paulinha =D Que prazer recebê-la aqui no meu blog, lindaaa! Como você está diferente! ^^

      Excluir

Created By Sora Templates