quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Cinema em Dia

Eu sempre soube que Crônicas de Nárnia era uma ótima série de fantasia considerada um clássico da literatura infantil, já vi citações retiradas dela em vários lugares, inclusive em alguns dos meus livros favoritos. Então, porque nunca li as 7 obras? Simples: é aventura. Dificilmente leio algo que não tenha um romancesinho. 

Olhe só, eu gosto muito do filme O Diabo Veste Prada, e semana passada uns dias atrás encontrei o livro na biblioteca e resolvi ler, mas foi um desastre. Minha leitura foi avaliada com duas estrelas (qualidade regular), visto que levei uns três dias para ler (sim, para mim é muito), e nem é porque o livro não é tão emocionante como o filme (realista demais, não no sentido dramático, maçante mesmo), mas porque não tinha uma ceninha de amor. 

Eu sou uma garota romântica, por favor não duvide disso. 

Então, voltando às Crônicas de Nárnia, eu sempre fui louca para ver os filmes, mas não tinha tido a oportunidade até sábado às duas da tarde, quando passou O Leão, A Feiticeira e o Guarda-Roupa na tv. O filme é longo. Mas me encantei totalmente. Aliás, uma noite vi A Invenção de Hugo Cabret e, apesar de ter abandonado a leitura na terceira página, adorei o filme, mesmo que o Hugo não se mostrou nenhum inventor na minha opinião. Pra você ver como nosso gosto pode variar conforme a arte. 

Não assisti As Aventuras de Pi nem O Hobbit ainda, mas pelos comentários são filmes ótimos. Afinal, estão nessas listas de premiação (Oscar) e tudo mais. 

Fiz uma lista mental dos poucos livros que li que não continha romance, e entre eles está Coraline (uma criança que descobre um mundo novo atrás de uma porta onde tudo parece melhor, mas não é) e minha série preferida Desventuras em Série (três crianças que se tornam órfãs e fazem o impossível para que Conde Olaf não roubem a herança afortunada delas), ambos adaptados para filmes. Por que esses eu li? Porque são histórias meio góticas (no sentido de triste ou algo do tipo, não macabro, pelamor). E é isso: além de romance eu também gosto muito de histórias góticas, não necessariamente de terror. 

Entre os filmes, posso citar também Matilda (uma garotinha que desde bebê apresenta uma superinteligência e poderes) e A Babá McPhee (uma babá rígida que corrige a disciplina das crianças fazendo uso de magia). 

Mas, em meio essa minha reflexão, notei que há algo em comum entre todas essas histórias: Os personagens protagonistas são crianças. Não qualquer criança, mas crianças inteligentes, com imaginação fértil. E a narrativa não se trata de um cotidiano comum, são estórias de aventuras que desafiam a ciência sem precisar ser do gênero fantástico (que eu não curto, sinceramente). Ah, eu sou louca para escrever uma história que tenha como personagem principal uma criança e que não soe infantil apesar de infanto-juvenil. 

Esse é um dos motivos do por que Alice no País das Maravilhas é um dos meus contos de fada favorito. Sim, eu adoro histórias clássicas, e isso inclui contos de fadas. Aliás, estou toda sorriso porque ultimamente o cinema resolveu criar filmes recontando esses contos adoráveis, como Branca de Neve e o Caçador (com a Kristen interpretando a Branca), Fera e o mais recente João & Maria – Caçadores de Bruxas

Ah, também tem Os Três Mosqueteiros, já ia me esquecendo. Aliás, em se tratando de filme, gosto muito de histórias de super herois, um pouco de ação, o bem contra o mal e tal, isso é infantil? Entre meus preferidos estão Matrix, Motoqueiro Fantasma, Resisdentível, Piratas do Caribe, Harry Potter, O Código Da Vinci e os que parecem histórias em quadrinhos como Batman, Homem Aranha, Super Men, Mulher Gato, X-men, Os Incríveis. Este último é animação. 

Ah, sim, gosto muito de animações, que, para quem não sabe, não significa exatamente filmes infantis. Os Incríveis é um dos meus preferidos, mas também temos Procurando Nemo, Up, Monstros S.A., Toy Story, Anastasia, Mulan, Lilo & Stich, O Espanta Tubarões, Shrek, o mais recente Valente, etc. 

Eu também sou louca para criar uma história que se assemelhe à perfeição de um Conto de Fadas, Super Heróis ou algo do tipo.

Enfim, minha intenção era mostrar um pouco do que eu gosto de assistir em se tratando de filmes, aliás quase nunca comento algo relevante, apenas costumo citar o que estou vendo no momento. Bem que podia haver uma rede social tipo Skoob só que para filmes, não?

Um comentário:

  1. Gostei muito do seu texto. Realmente é difícil criar uma história onde o protagonista é uma criança sem que as pessoas vejam a obra como algo infantil, ou um tipo chamado "criança adulta", onde o mesmo não possua nenhuma característica infantil (como visto no filme "Gigantes de Aço"), meio que perde a identidade carismatica do personagem. E a propósito, já existe uma rede social de filmes, chama-se "Filmow".

    ResponderExcluir

Created By Sora Templates