quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Cara Moleca dos Cabelos de Fogo


Quando te vi pela primeira vez, meu coração bateu mais forte, meus olhos brilharam e as palavras me fugiram dos lábios. Como você estava linda! Logo eu me interessei por você, pelo seu jeito de ser, e logo soube que iria rolar alguma coisa entre a gente, pois meu corpo pedia o teu.
Durante muito tempo, a cada segundo do dia, eu não conseguia tirar você da minha cabeça, e passava noites em claro pensando em você. Foi então que confirmei para mim mesmo que o sentia por você era algo forte de mais. O que eu sentia era coisa séria. Era diferente de tudo que tinha sentido antes, por qualquer alguém.
E esse sentimento foi crescendo, foi tomando conta de mim, até me dominar completamente. Foi aí, ah, foi aí que eu descobri o que é a o amor... Mas ele não vinha desacompanhado.
Ah, esse amor incontrolável me deixava atordoado, a timidez não deixava eu me aproximar de você, logo eu, que tinha tido tantas namoradas sem precisar que ninguém as empurrasse para mim!
Às vezes eu tinha sérias dúvidas quanto ao que você sentia por mim. Às vezes eu achava que você não gostava de mim, e que eu me iludia feito bobo. Foram momentos de lágrimas e sofrimento que me fizeram perceber que esse amor me castigava.
Eu me sentia tão triste, tão fraco.
Mas aí você chegava, jogava os cabelos para o lado, colocava um sorriso nos lábios e me olhava daquele seu jeito maroto e pronto! Lá estava eu, me derretendo com teu jeitinho. E quando você me convenceu de que queria algo a mais de mim, fez meu coração gritar de felicidade, me deixando tão nervoso a ponto de não saber o que fazer.
As horas que passei ao seu lado foram mágicas para mim, queria ficar ali por dias, mas o tempo passou tão rápido que quando vi já era tarde da noite, e todo o encanto tinha se acabado. A marca do seu beijo ficou em meus lábios, ah, ele tinha gosto de paixão, lembro-me até hoje.
Mas então notei que aquilo não iria se repetir, que fora apenas uma noite, apenas uma aventura para você. Eu senti um aperto no peito, pois havia mergulhado de cabeça nisso tudo. Você ignorava minhas ligações, você nunca mais sorriu para mim e me olhou de jeito maroto.
A vontade de reviver tudo aquilo ficou presente por muitos meses, até que, vencido pelo tempo, tudo o que restou fora saudade, que eu guardei no canto do peito para poder seguir em frente.
Hoje em dia eu não sinto mais tanta emoção ao te ver, mas saiba que ainda gosto muito de você, pois um amor verdadeiro nunca morre. Me sinto bem melhor em desabafar com você, afinal, caso um dia você queira voltar, saberá que estarei te esperando.
Beijos e abraços

0 comentários:

Postar um comentário

Created By Sora Templates